1673

Câmara Municipal de Ilhéus

Pular para o conteúdo

Cláudio Magalhães reverencia memória de Gustavão, ex-presidente do PCdoB de Ilhéus

18/08/2021 às 10h51

Noticia

Galeria com imagens e vídeos sobre a matéria


 

Nesta terça-feira (17), durante sessão ordinária na câmara municipal, o vereador Cláudio Magalhães (PCdoB) reverenciou, durante o grande expediente, a memória de Gustavo Cezar Milton da Silveira Filho, mais conhecido como Gustavão, liderança comunista histórica e ex-presidente do PCdoB de Ilhéus. O texto lido por Cláudio foi elaborado em conjunto com seu irmão, Élvio Magalhães, membro do Conselho Estadual do PCdoB/BA e assessor do deputado estadual Fabrício Falcão (PCdoB/BA). Confira abaixo a integra da homenagem. 

_“Ainda sob o jugo do regime militar, que dava sinais de enfraquecimento diante do crescimento das lutas populares, o PCdoB da Bahia iniciou um processo de interiorização de sua atuação, deslocando quadros para as principais regiões do Estado, com o objetivo de reorganizar o Partido Comunista, após a avassaladora repressão política que se abateu sobre o país.

Como parte desse movimento, vieram residir no sul da Bahia, os estudantes universitários Davidson Magalhães e Fátima Freire, em Itabuna, o médico Renan Araújo e o fisioterapeuta Gustavo Cezar Milton da Silveira Filho, em Ilhéus.

Gustavo vinha da experiência do movimento estudantil, do final da década de 70, na Escola Baiana de Medicina e Saúde Pública. No movimento estudantil deu os primeiros passos políticos, participou de assembleias, organizou protestos, manifestações. Esteve na luta contra a carestia, pela Anistia, pelas Diretas Já e por uma nova Constituição, que garantisse a democracia e os direitos do povo. Portanto, foi em Ilhéus que aprendeu navegar nas ondas da política sem nunca perder o rumo.

Com o PCdoB ainda clandestino, de pronto Gustavo se incorporou a ala popular do Movimento Democrático Brasileiro, e logo se tornou uma das referências da política ilheense, ao lado de Flory Nonato (Quito), Adalberto Galvão (Bebeto), Oldeck Marques, José Henrique Abobreira, Carlos Pereira Neto, e de destacadas lideranças do MDB como Sá Barreto, Napoleão Marques e Jabes Ribeiro, que veio a se tornar prefeito da cidade.

Em 1984, o Brasil foi sacudido pela campanha das Diretas Já, que mobilizou a sociedade brasileira pelo fim do regime militar. Em Ilhéus, essa campanha teve Gustavão como um dos seus coordenadores.

Com a legalização do PCdoB em 1985, Gustavo assume a presidência do partido e se constitui o principal dirigente.

Já em 1986, Gustavão coordenou as campanhas vitoriosas de Haroldo Lima a deputado Federal e Luiz Nova a Deputado estadual, na cidade. Foi o primeiro candidato a vereador pelo Partido Comunista do Brasil em Ilhéus, em 1988. Infelizmente, um acidente automobilístico em meio à sua campanha, o fez continuá-la hospitalizado e, embora tenha tido uma boa votação, não logrou êxito eleitoral.

Quatro anos depois, coordenou a campanha vitoriosa do emergente líder dos trabalhadores das fábricas de cacau e presidente do SINDICACAU, Bebeto Galvão, que se tornaria o 1º vereador comunista de Ilhéus. Fruto do seu trabalho, o partido vicejou e nas eleições seguintes elegeu a presidenta do Sindicato dos Bancários, Marlúcia Paixão, vereadora de Ilhéus. Mais recentemente, o Partido foi representado nesta Casa Legislativa, pelos vereadores Doutor Jó e Nerival.

Filho do médico Gustavo Cezar Milton da Silveira, professor de medicina da Universidade Federal da Bahia e pai amoroso e presente dos ilheenses João, André, Pedro e Mariana, Gustavão viveu em Ilhéus de forma simples, convivendo lado a lado com o povo trabalhador. Eram seus amigos: operários, camponeses, pescadores, estivadores, comerciários, indígenas, trabalhadores, subempregados.

Formulador como poucos, esbanjava lições de política, sem nenhum traço de arrogância. Deixou como legado coerência, lealdade política e coragem para defender suas opiniões e sustentá-las, sabedor que as ideias são sempre mais importantes que as pessoas, por mais ilustres que sejam.

Por um PCdoB altivo, que organizasse a luta possível, é que Gustavão devotou, por três décadas ininterruptas, o melhor dos seus dias. No dia 17 de agosto de 2011, aos 52 anos, Gustavão nos deixou precocemente. Foi um cidadão que amava Ilhéus, como poucos. Fisioterapeuta da APAE, diretor administrativo e diretor geral do Hospital regional Luiz Viana Filho, mas sobretudo militante das causas sociais e da luta por um Brasil democrático, soberano e socialista.