1673

Câmara Municipal de Ilhéus

Pular para o conteúdo

Segmentos de comércio e de serviços opinam sobre o futuro da Soares Lopes

08/10/2021 às 08h55

Noticia

Galeria com imagens e vídeos sobre a matéria


A sétima Audiência Pública temática sobre o futuro da avenida Soares Lopes aconteceu ontem, no plenário Gilberto Fialho, na sede do Palácio Teodolindo Ferreira, em Ilhéus. A audiência reuniu os segmentos de comércio e serviço que apresentaram suas demandas e propostas para a orla central da cidade. “Ou se cria um sistema que dê renda para manter a avenida ou teremos as ocupações ilegais e imorais, desprotegidas e que não trazem benefícios para a Prefeitura e para a cidade”, sentenciou o presidente da Associação Comercial e Industrial de Ilhéus, Libério Menezes Filho.

“Tem que arrumar a avenida para que você tenha as destinações por quadras. Se tiver só área de lazer, para quê? Quem vai pagar o custo disso?”, completou Menezes, defendendo a tese de que a avenida deva ser composta também pelo segmento de prestação de serviços e não apenas tornar-se um equipamento destinado à prática de esporte e de lazer. 

Um dos organizadores da ExpoIlhéus, evento que acontece na artéria há 29 anos, durante a alta estação, Roberto Soares Oliveira, lembra que iniciativas empreendedoras como esta nascem justamente da oportunidade oferecida e de espaço nobre para a sua realização. Na última ExpoIlhéus, que ocorreu antes da pandemia, foram montados 80 stands, gerados 160 empregos diretos e 800 pessoas por hora visitaram o espaço. “Estar na avenida é muito importante porque é um polo de visibilidade muito grande”, reconheceu.

Permanência

“Tem que fazer coisas ali que atraiam turistas e façam com que eles fiquem circulando aqui em Ilhéus”, reforça o empresário José de Carvalho Peixoto, dono de parque de diversões na região. “Mas podemos começar pelo básico: cortar o matagal, trocar o passeio, melhorar a iluminação, criar novas opções de esporte, lazer e alimentação. Não precisa esperar o projeto que estamos discutindo ficar pronto, devemos começar pelo básico”, reforça a empresária Marcela Monteiro de Carvalho, do segmento de chocolate de origem e com loja na orla.

A legalização de comerciantes que atuam na extensão da orla central também foi um tema debatido pelos participantes. Ivan Santos Silva vende caldo-de-cana e côco, na praça Castro Alves, há mais de 30 anos. “Trabalhamos sem segurança, sem alvará, ninguém sabe de nada”, reconhece. “Gostaríamos da regularização”, reivindica o pequeno empresário. Para o vereador Ivo Evangelista (Republicanos) os espaços na avenida são muito pouco aproveitados. “Temos que criar legislações para o uso da área de forma coerente e que traga resultados para a população”, reconhece.

Mais incentivos

Mas também há quem fale na falta de incentivo para a continuidade de importantes projetos. Carlos Alberto Moinhos, gerente de uma cooperativa médica, lembra que um projeto de vida saudável foi montado na avenida, permitindo a descoberta de um número grande de pessoas hipertensas e com diabetes, que se exercitavam na região. “O projeto movimentava a avenida, seu cenário de caminhadas, danças aeróbicas”, lembra. Especialistas também realizavam palestras com temas de saúde. Mas o projeto não seguiu. “Nossa proposta é de que ele seja permanente, dada a importância que pode oferecer à qualidade de vida da população”, afirmou. O Sebrae também participou do encontro. “Nosso objetivo é ouvir todos vocês para sabermos como contribuir para a Comissão da Avenida com esse novo olhar sobre a Soares Lopes”, destacou Luciane Bohana.

Presidente da Comissão da Avenida, o vereador Vinícius Alcântara (PV) afirma que o resultado dos trabalhos realizados até aqui já está sendo organizado por assessores da comissão. Mas, até o final deste ano, as escutas populares irão continuar, por intermédio de encontros setorizados, pesquisa e entrevistas com segmentos da população. Na próxima sexta, serão ouvidos representantes dos segmentos de “Mobilidade e Segurança”. A Audiência acontece na sexta-feira (15), a partir das 3 da tarde, com transmissão ao vivo pela TV Câmara através das redes sociais do Poder Legislativo.